Escolha uma Página

Distimia: quando o mau humor e a tristeza viram depressão?

16/01/2019 | Medicina, Psicologia

FracoRegularBomMuito bomÓtimo (4 votos)
Loading...
Compartilhe em suas redes sociais:

Todo mundo conhece alguém que tem um mau humor permanente, um estado de pessimismo e baixa estima constante. Mas o que parece ser apenas um traço de personalidade pode ser, na verdade, um tipo de depressão muito importante, chamado de Distimia.

A distimia, ou transtorno depressivo persistente, é caracterizado pela irritabilidade frequente e um estado permanente de tristeza e desinteresse, por um tempo superior a 2 anos. Afeta de 3% a 5% da população mundial e, por ser um tipo de depressão, o acompanhamento médico e psicológico é altamente indicado.

A distimia afeta entre 3% a 5% da população mundial – aproximadamente 180 milhões de pessoas. O distúrbio afeta ambos os sexos, mas nas mulheres a incidência da distimia é ligeiramente maior.

No Brasil, estima-se que o transtorno afeta entre 5 e 11 milhões de pessoas, segundo a Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA).

“Ah, ela sempre foi assim, mal-humorada, mesmo.”

É justamente por por ser confundido como mero “traço de personalidade” que muitas vezes as pessoas que enfrentam esta doença não sabem que têm tal problema, o que leva à falta de tratamento.

A distimia é, na verdade, um transtorno do humor, uma depressão crônica e persistente, mais leve que o Transtorno Depressivo Maior, mas com duração muito mais longa. A distimia pode começar ainda na infância e persistir por longos períodos, anos e até décadas. É contínua, não ocorre em episódios.

O psicólogo Edgar Yamaguchi, parceiro do portal Nossos Psicólogos na região do Morumbi, em São Paulo, destaca que o “paciente distímico sofre em silêncio por muito tempo e acaba se acostumando à condição ou ao rótulo de rabugento, crítico ou mal-humorado, sem perceber que, na verdade, tem uma forma de depressão. Para ele, tudo é cinza, nada está bom”.

“Os pacientes com distimia muitas vezes relatam que não se lembram de períodos nos quais não se sentiram deprimidos, mesmo que consigam levar a vida de maneira relativamente normal. Ao considerar esta condição como normal, acabam levando muito mais tempo para procurar tratamento adequado.”

Edgar Yamaguchi

Psicólogo - CRP 06/117.872

A distimia, quando não tratada, gera um grande prejuízo pessoal e pode se transformar numa forma mais grave de depressão. Neste caso, a pessoa desenvolve a chamada “depressão dupla”: junto com a Distimia, ela sofre de episódios de Depressão Maior. Quando isso acontece, é preciso tratar as duas formas da doença.

É importante lembrar que a depressão está diretamente ligada ao aumento da propensão ao alcoolismo e suicídio. Segundo a OMS o Brasil é hoje o 4º país com a maior incidência mundial de casos de depressão.

Sinais da Distimia, ou Transtorno Depressivo Persistente

“A irritabilidade é o principal sintoma da distimia. Mas há também outros sinais, que precisam ser observados com atenção”, destaca Edgar Yamaguchi.

As pessoas com distimia costumam evitar eventos sociais, e têm desempenho abaixo de sua capacidade no trabalho, na escola e nas atividades corriqueiras da vida, pois, geralmente, têm dificuldades de concentração. São pessimistas e facilmente desencorajáveis, têm dificuldade em completar tarefas e visivelmente mal-humorados.

Principais sintomas da Distimia

1. Humor deprimido ou mau humor persistente

2. Pensamentos negativos frequentes

3. Cansaço e falta de energia

4. Isolamento social

5. Sensação de desamparo

6. Dificuldade de concentração

7. Dificuldade na tomada de decisões

8. Baixa autoestima

9. Alterações no sono e no apetitite

10. Tendência ao uso de drogas ilícitas e abuso de álcool, cigarro e tranquilizantes

Mudar hábitos pode melhorar o dia a dia

Além do acompanhamento com psicólogo e psiquiatra, existem vários hábitos que o paciente com distimia pode adotar para melhorar seu dia a dia. Veja abaixo alguns deles.

Pratique atividade física durante o dia, ao ar livre.

1. Pratique atividade física durante o dia, de preferência ao ar livre

A atividade física, estimula a produção de serotonina, um hormônio que causa sensação de bem estar e ajuda a manter o bom humor.

A luminosidade do sol também aumenta a produção de serotonina e reduz a produção de melatonina, o hormônio do sono – que é bem vindo à noite, mas que durante o dia causa sonolência e relaxamento, podendo acentuar a sensação de cansaço e desânimo, característicos de quem sofre com a distimia.

Não fume nem beba.

2. Não fume nem beba

O álcool gera em um primeiro momento a sensação de relaxamento e desinibição. Porém, o efeito é breve e os danos duradouros. A ansiedade e a irritabilidade sempre voltam.

O cigarro causa doenças cardiovasculares e pulmonares, que levam à piora da saúde e podem agravar quadros de ansiedade e depressão.

Pratique meditação

3. Pratique meditação

Meditar por meia hora pode gerar muitos benefícios. Entre eles, redução da pressão arterial, aumento da produção de serotonina e melhora da criatividade.

Se puder, pratique meditação na natureza. É ainda melhor e mais revigorante!

Durma pelo menos 8 horas por dia

4. Durma pelo menos 8 horas por noite

Estar em dia com o sono é fundamental para a manutenção do humor e da saúde. O sono revigorante ocorre entre 23h e 3h da madrugada.

Antes de dormir, prefira atividades relaxantes e músicas calmas. Evite agitação!

Procure dormir no escuro para estimular a produção de melatonina – aqui, sim, adequada para o que você quer: sentir sono e descansar bem.

Beba 2 litros de água por dia

5. Lembre-se de beber água

Fique atento à sua sede e tome água ao longo do dia. Manter-se bem hidratado ajuda a deixar o corpo mais equilibrado e aumenta a sensação de bem estar.

Chás como o de maracujá e o de camomila podem ajudar a relaxar e a reduzir a ansiedade, ao mesmo tempo em que hidratam seu corpo.

Beba café com moderação

6. Beba café com moderação

O café pode ser um bom estimulante para quando se está sonolento. Porém, quando ingerido de forma excessiva, pode causar agitação, aumentar a ansiedade e levar à falta de sono.

Por isso, tome café (e chás pretos, que também contêm cafeína) com moderação, especialmente à noite.

 

Distimia tem tratamento?

Sim, a distimia pode e deve ser tratada. A melhor indicação é a abordagem multidisciplinar, envolvendo a psicoterapia associada a um tratamento psiquiátrico. Quando prescrito, o uso complementar de antidepressivos pode eliminar os sintomas distímicos. Também é importante passar pela avaliação de um clínico geral para avaliar a existência de alguma doença física, que possa eventualmente agravar os sintomas da distimia.

É muito importante estar atento aos sinais. A irritabilidade, tristeza e as várias queixas físicas, como cansaço, dificuldade para dormir e dores no corpo, muitas vezes são ignoradas e atrasam o acesso a um tratamento que poderia melhorar muito a qualidade de vida da pessoa que sofre com a distimia.

O psicólogo Edgar Yamaguchi destaca que “muitas pessoas acham que, por terem sido sempre desta forma, o estado é normal. Não é. Distimia é uma forma importante de depressão, uma doença tratável, que deve ser levada a sério”.

A ciência pode ser nossa melhor aliada: está a nossa disposição e devemos recorrer a ela para tornarmos a nossa vida melhor e mais feliz.

Agende agora sua consulta com um Psicólogo

Participaram desta matéria:
Edgar Yamaguchi, Psicólogo - Morumbi, São Paulo (SP)

Psicólogo – CRP 06/117.872 | Morumbi, São Paulo – SP

Psicológo Clínico e Neuropsicólogo pelo Hospital Israelita Albert Eistein.

Experiência em psicologia hospitalar, psicofarmacologia, cuidados paliativos, transtornos alimentares, depressão, entre outros temas ligados à saúde mental.

Cursos de especialização pelo Hospital Israelita Albert Eistein, PUC-SP e Instituto de Psiquatria do Hospital da Clínicas da USP.

FracoRegularBomMuito bomÓtimo (4 votos)
Loading...
Compartilhe em suas redes sociais:

Deixe seus comentários!
[yuzo_related]
Médico por preço acessível

Encontre um Psicólogo perto de você, agende uma consulta e comece hoje sua terapia

Consultas acessíveis, com profissionais em 40 cidades

Escolha um Psicólogo perto de você, agende uma consulta e comece hoje sua terapia

Sobre o Nossos Psicólogos

O Nossos Psicólogos é o portal onde você escolhe um Psicólogo perto de você, com terapia a custos acessíveis. Escolha o seu profissional de acordo com o que é importante para você: perfil, especialidade, localização, agenda etc. O uso pelo paciente é gratuito: ele paga somente a consulta realizada, diretamente ao profissional que o atendeu. As consultas são realizadas no consultório particular do Psicólogo escolhido pelo paciente. Acesse nossa página Quem Somos para saber mais.

Todas as informações aqui apresentadas têm objetivo meramente informativo, não pretendendo, em tempo algum, substituir as orientações e diagnósticos de profissionais da saúde, ou servir como indicação para qualquer tipo de tratamento. Somente o profissional da saúde poderá indicar, iniciar, alterar ou interromper tratamentos. NUNCA tome medicamentos sem orientação médica. Para mais informações, acesse nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.

Logo - Nossos Psicólogos

Receba nossas novidades!

Tudo sobre sua saúde física, mental e emocional, com o olhar humano e atento dos Nossos Psicólogos.

Obrigado! Seu e-mail foi cadastrado!